loading3
Dicas de saúde

Perder xixi não é normal!

Atualizado em 8 de Março de 2021

A Incontinência Urinária é caracterizada pela perda involuntária de urina, podendo ser classificada em 3 tipos:

  • Incontinência urinária de esforço: provocada quando a pessoa tosse, espirra, pula, da risada ou faz algum exercício.
  • Incontinência urinária de urgência: quando a pessoa sente uma vontade repentina de urinar, perdendo urina antes mesmo de chegar ao banheiro.
  • Incontinência urinária mista: combinação dos dois tipos.

É provocada pela incapacidade de contração adequada, seja por fraqueza dos músculos do assoalho pélvico ou pelo simples fato da pessoa não saber contrair essa musculatura.

Em todos os tipos, o tratamento pode ser feito através da fisioterapia pélvica. Inicialmente é realizada uma avaliação na qual é questionado como ocorre a perda de urina, a frequência em que acontece e a quantidade aproximada. Num segundo momento é feito a Avaliação Funcional do Assoalho Pélvico (AFA), que permite identificar o grau de contração da musculatura responsável por evitar o escape de urina.

A partir daí inicia-se o tratamento através de exercícios específicos associados ao uso de cones vaginais. Os cones vaginais são dispositivos de uso individual, com peso que variam de 20 a 100g, e são escolhidos de acordo com a necessidade e a tolerância de cada paciente. Eles são utilizados com o objetivo de estimular a contração pélvica, pois se a paciente não contrair, o cone tende a deslizar.

Desta forma, a fisioterapia pélvica melhora a percepção, reeduca e fortalece a musculatura do assoalho pélvico, aumentando a autoestima e a qualidade de vida das pacientes.